04/02/2021 às 07h00min - Atualizada em 04/02/2021 às 07h00min

Vídeo de Maradona é divulgado, e áudios de médico relatam uso de álcool e maconha após cirurgia

GE
Luque e Maradona ainda na Clínica de Olivos antes da alta do craque — Foto: Reprodução / Instagram
Novas conversas de Leopoldo Luque, médico pessoal de Maradona, foram divulgadas nesta quarta-feira. O profissional comenta o consumo de álcool e maconha pelo craque após ter passado pela cirurgia no cérebro, no início de novembro, dias antes de sua morte. O diálogo é com outro médico, não identificado, que cuidava do ídolo argentino.

Ao ser informado da relação do ex-jogador com as drogas, Luque diz que não há responsabilidade médica sobre o consumo e aponta que o problema seria o meio social do ex-jogador (confira mais abaixo toda a transcrição da conversa).

O Ministério Público Argentino investiga para descobrir se houve negligência, imperícia e imprudência na ocasião da morte de Maradona. Nos últimos dias, conversas entre o médico Leopoldo Luque e a psiquiatra Agustina Cosachov foram vazadas e mostraram a reação de ambos ao receber a notícia de que o craque teria morrido.

Também nesta quarta, um vídeo gravado por Maradona dias antes de sua morte foi divulgado pela “Cronica TV”, da Argentina. Nas imagens, o craque está em casa e manda um recado para o médico Leopoldo Luque, que realizou a cirurgia no cérebro do ex-jogador. “El Pibe” teve alta do hospital em 12 de novembro e morreu no dia 25.

– Estou machucado, mas tudo bem. Sabe que não gosto de intimidades, mas quando estou com pessoas boas saio da minha toca. Um beijo, Luque – afirmou Maradona (veja o vídeo abaixo). 
Conversas vazadas

Três pessoas são citadas na troca de mensagens e áudios entre o médico Leopoldo Luque e o outro profissional que cuidava de Maradona:

- "Monona", cozinheira de Maradona;

- Maxi Pomargo, secretário de Maradona e cunhado de Matías Morlas, advogado do craque;

- Charly, marido de uma prima de Rocío Oliva, última namorada de Maradona.

Confira abaixo a transcrição do diálogo, publicado inicialmente pelo “Infobae”, da Argentina:

Conversas entre Luque e outro médico que cuidava de Maradona:

Médico não identificado: Tenho Monona que me conta as coisas, porque senão nunca vai descobrir. Ontem, exceto Monona e um segurança, estavam todos fumando. Hoje ele se levantou todo dolorido, sem descansar, com toda a ressaca em cima. Ontem à noite fumou, bebeu vinho com os comprimidos, não pode fazer tudo.

Médico não identificado: A verdade é que não diferencio a dor do sono ruim. Já tem o hábito de fumar todos os dias, ele pede cigarro aos seguranças. Outro dia eu disse aos seguranças: “Quando ele falar isso, dê um charuto para ele".

Luque: Calma, fique calmo. Eu sei mais ou menos como lidar com ele. Eu disse a Maxi que, se houver uma autópsia, pule isso. O que menos vão responsabilizar é a parte de saúde, é uma questão do ambiente (em que Maradona está inserido). Nós não podemos contornar, podemos propor.

Luque: A maconha não causa dano a um determinado órgão para que eu suspeite disso. Posso supor, mas se não procuro, não analiso, sem o consentimento do paciente não tem uma forma. Do ponto de vista médico, não há nenhuma responsabilidade. Fica a cargo do paciente. Agora se procuram o paciente, se a polícia investiga e vê que há um determinado ambiente, vão atacar isso. Não é uma responsabilidade médica. Seria se eu desse maconha a ele, ele ficasse intoxicado e morresse. Aí sim, porque não foi bem supervisionado nem contido. Mas isso é algo ilegal, não tem nada a ver com algo médico.

Médico não identificado: Quero escrever para você com a maior confiança. Não aguento mais a situação em que Charly dá maconha a Diego. Não sei o que fazer para parar. Quando ele estava dando a maconha, eu disse que se ele morresse eu que teria que dar a cara quando a maconha fosse indicada na autópsia.

Médico não identificado: Como te disse, confio muito na Monona e no segurança que está agora. Eles me disseram que ontem Charly havia combinado de entrar com uma mulher durante a noite. Então para se livrar do Diego lhe deu cerveja e cigarro. Encontrei restos de maconha picada por toda parte e um cheiro na casa. O cara fazendo sexo na área de serviço e a Monona com o segurança, vendo que Diego não se levantava, não dormiram nada. Não queriam dormir para caso tivesse algum problema.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »