08/09/2018 às 23h37min - Atualizada em 08/09/2018 às 23h37min

No hospital, Bolsonaro caminha pela 1ª vez após atentado

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, caminhou neste sábado (8) pela primeira vez após ter sido atacado com uma faca há dois dias, informaram m...

Bol

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, caminhou neste sábado (8) pela primeira vez após ter sido atacado com uma faca há dois dias, informaram médicos do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. O atentado ocorreu durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG).

Segundo o boletim médico divulgado pouco depois das 18h, Bolsonaro "passou um pequeno período do dia sentado na poltrona (30 minutos), além de caminhar no quarto auxiliado por fisioterapeuta, enfermeira e médico por 5 minutos".

"O tempo [da caminhada] será gradualmente aumentado nos próximos dias conforme a tolerância do paciente às atividades. Essas medidas têm objetivo de reduzir os riscos de trombose, complicações pulmonares e acelerar a recuperação do funcionamento do intestino", diz o documento, assinado pelos médicos Antônio Luiz Macedo, Leandro Santini Echenique e Miguel Cendoroglo.

Ainda de acordo com o boletim, Bolsonaro não tem sinais de infecção, uma das principais preocupações de seu tratamento após as lesões que sofreu no intestino grosso, no intestino delgado e em uma artéria.

Mais cedo, o deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do candidato, publicou no Instagram uma foto em que o pai aparece sentado em uma poltrona fazendo o gesto de uma arma com as mãos.

Bolsonaro está internado no Albert Einstein desde a manhã de sexta (6), depois de ter sido transferido da Santa Casa de Juiz de Fora, onde passou por cirurgia de emergência logo após o atentado. O candidato pode ter que ficar de repouso durante um mês, o que o tiraria de atividades de campanha até o fim do primeiro turno das eleições, em 7 de outubro.

Vice na chapa de Bolsonaro, o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB) descartou substituir o presidenciável em compromissos previamente agendados. Segundo Mourão, a campanha deve prosseguir por meio de vídeos gravados por Bolsonaro e divulgados nas redes sociais.

O ataque contra Bolsonaro fez a Polícia Federal elevar o "nível de alerta" em relação à campanha presidencial e aumentar o número de agentes que fazem a segurança dos políticos. 

O presidente em exercício do PSL, Gustavo Bebianno, disse em São Paulo que o partido não enviou representantes porque "a porta já teria sido arrombada" e questionou o porquê de outras campanhas participarem. 

Apesar de não ter enviado representante, tanto o PSL como a família de Bolsonaro querem que a PF faça a segurança da mulher e da filha do candidato, o que foi negado. 

Antes do ataque a Bolsonaro, o número máximo de agentes para cada candidato era de 21. Esse número, agora, subiu para 25. Entretanto, nem todos os candidatos utilizam essa quantidade máxima. O número de agentes à disposição de cada candidato não foi revelado pela PF por motivos de segurança.

Até o momento, a única prisão ligada ao atentado contra Bolsonaro foi a de Adélio Bispo de Oliveira, 40 anos, que atacou o candidato e foi detido em flagrante. Ele teve a prisão preventiva decretada pela Justiça. A defesa de Oliveira afirma que ele agiu sozinho e motivado pelo "discurso de ódio" de Bolsonaro. Hoje, o agressor foi transferido para o presídio federal de Campo Grande (MS)


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »