08/02/2017 às 13h10min - Atualizada em 08/02/2017 às 13h10min

Jornalista paraibana passa a integrar equipe de Comunicação da Chapecoense

Turismo em Foco
A jornalista paraibana Gláucia Magalhães irá integrar a equipe de comunicação social da Chapecoense. A própria jornalista anunciou o novo desafio profissional nas redes sociais, nesta terça-feira (07). “Primeiro eu simpatizei, depois torci, infelizmente chorei, e também orei, voltei a torcer, a comemorar e, para a minha surpresa e gratidão, agora vou trabalhar. Sim, trabalhar na Chapecoense. Obrigada, meu Deus! Vamos, vamos Chape!!!”, expressou a felicidade de entrar na família Chape.

Nesta quarta-feira (08), Gláucia disse à reportagem que não chegou a cobrir jornalisticamente a tragédia com a equipe na Colômbia, quando um acidente aéreo matou 75 pessoas, jogadores, dirigentes, funcionários do clube e jornalistas no dia 29 de novembro do ano passado, mas acompanhou de perto. “Já tinha visitado Chapecó (SC) antes da tragédia e me impressionado com o orgulho que a população sentia pelo time. Depois da tragédia, eu senti de perto a tristeza generalizada e sofri junto, não tinha como ser diferente.

Fiz questão de vir ao estádio no dia do velório, debaixo de chuva, porque foi uma forma de solidarizar com a cidade que eu ia morar”, afirmou a jornalista. Glaúcia relatou que toda aquela situação foi “muito triste” e ao mesmo tempo “muito bonita”, pelo clima de solidariedade que se espalhou em todo mundo. “Aqui a camisa da Chapecoense é predominante. Você não sai na rua sem ver alguém vestido com ela. E o sentimento é de esperança mesmo. Vejo uma cidade unida com o sentimento de reerguer o time”, revelou. Gláucia, que saiu de João Pessoa no ano passado para morar em Concórdia (SC), seguiu com o marido para Chapecoense, onde tem residência, afirmou ainda que aprendeu a gostar do clube, que orou pelos sobreviventes como se fosse um parente, que acompanhou cada reportagem, que chorou pelos mortos naquele velório e que dividiu a dor daquelas famílias...

“Poder fazer parte da família Chapecoense, pondo em prática a minha formação, mas, principalmente, meu lado humano, é um verdadeiro presente”, resumiu a jornalista. Ela afirmou que sempre tratou o esporte muito superficialmente na profissão, e essa será uma oportunidade de aprender. “Então, é motivo de muito orgulho que seja justamente na Chapecoense, um time que está renascendo e que vai escrever uma história linda”. No clube, segundo Gláucia, há uma vontade enorme de honrar o nome dos que se foram e continuar elevando o nome da Chapecoense. “O pouco contato que já tive com o pessoal que trabalha lá foi muito animador. Pessoas compromissadas e que realmente amam aquele time, que trabalham por necessidade, mas também por muito amor ao time”.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »