02/02/2017 às 14h04min - Atualizada em 02/02/2017 às 14h04min

Rodrigo Maia é reeleito para presidência da Câmara

Uol
Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados
Apesar da disputa jurídica que envolve sua candidatura, o atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi eleito para um mandato completo, de dois anos. Ele levou a disputa em primeiro turno, com 293 votos.

No ano passado, quando foi escolhido para um "mandato-tampão", Maia teve 120 votos na primeira votação --no segundo turno, ele bateu Rogério Rosso (PSD-DF) por 285 a 170. O político do DEM comandará a Casa até fevereiro de 2019.

Apesar de o Palácio do Planalto não ter declarado, Maia era o nome favorito do presidente Michel Temer (PMDB) para o comando da Casa. O presidente reeleito ainda costurou uma aliança com ao menos 10 dos 26 partidos com representação na Câmara, o que também deixou sem força as candidaturas de Jovair Arantes (PTB-GO), André Figueiredo (PDT-CE), e Júlio Delgado (PSB-MG), Erundina (PSOL-SP) e Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

Os rivais, que tentavam levar a disputa ao menos para o segundo turno, inclusive tentaram impedir a candidatura de Maia. Na última segunda-feira (30), três dias antes da eleição, eles entraram com um mandado de segurança contra a presença do deputado do DEM na disputa. O grupo argumentava que, como atual presidente da Casa, Maia não pode ter um novo mandato dentro da mesma legislatura (2015-2019). Um parecer da assessoria jurídica da Câmara aponta que o regimento interno da Casa segue o mesmo entendimento.

No entanto, liminar do ministro Celso de Mello, do STF, permitiu a candidatura de Maia nesta quarta-feira (1º).
Homenagens a Marisa na sessão
A sessão começou às 9h da manhã e foi marcada pelos discursos dos candidatos e até por menções à morte cerebral da ex-primeira-dama Marisa Letícia. Julio Delgado (PSB-MG), um dos candidatos, chegou a sugerir a suspensão da sessão "em respeito à família" do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Vários deputados também citaram Marisa em seus discursos.

Rodrigo Maia defendeu, em sua fala, a necessidade de soberania do Legislativo e criticou o que definiu como "radicalismos" anteriores a sua gestão. Seu principal rival, Jovair, fez oito promessas aos colegas, entre elas, afirmou que os deputados só trabalharão até as 21h caso ele ganhe a eleição da Casa.

Assumindo o cargo
Em julho de 2016, Maia chegou ao cargo para um "mandato-tampão" após uma eleição para escolher o substituto do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que renunciou ao cargo no mesmo mês.

Cunha havia sido afastado do cargo pelo STF (Supremo Tribunal Federal) dois meses antes, após pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República), que argumentava que o deputado utilizava a posição de presidente da Câmara para obstruir investigações contra ele realizadas pela Lava Jato.

Atualmente, Cunha está preso em Curitiba em função de denúncias contra ele no âmbito da operação.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »