29/11/2020 às 20h26min - Atualizada em 29/11/2020 às 20h26min

Em São Paulo deu Bruno Covas

Com mais de 88% das urnas apuradas, atual prefeito tinha 59,77% dos votos válidos; tucano governará a maior cidade do país pelos próximos quatro anos; em 2018, então vice-prefeito assumiu após renúncia de João Doria

Bruno Covas (PSDB) venceu o candidato do PSOL, Guilherme Boulos, e foi reeleito prefeito da cidade de São Paulo – a maior do país. Eleito como vice-prefeito em 2016, na chapa de João Doria (PSDB), Covas assumiu a prefeitura da capital em 2018, quando o então prefeito renunciou ao cargo para disputar o governo do estado. Antes de chegar à prefeitura da maior cidade do país, Covas foi deputado estadual entre fevereiro de 2007 e dezembro de 2010, secretário estadual do Meio Ambiente, entre janeiro de 2011 e abril de 2014, e deputado federal de fevereiro de 2015 a janeiro de 2017. No primeiro turno, Covas recebeu 32,9% dos votos válidos, contra 20,2% de Boulos. Ex-governador do estado, Márcio França (PSB) obteve 13,6% dos votos, seguido pelo deputado federal Celso Russomanno (Republicanos) – apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro – com 10,5% dos votos.

Desde o início da campanha, Bruno Covas defendeu a continuidade de sua gestão e explorou o fato de Boulos não ter sido eleito para nenhum cargo anteriormente. Nas propagandas de rádio e televisão, o tucano destacou os feitos de sua administração, como o programa habitacional que entregou 50 mil moradias, parte delas por meio de um programa de parceria-público-privada (PPP), com foco nas famílias com renda de até três salários mínimos. Em seu plano de governo, o tucano afirma que a medida “também vai dinamizar o mercado de trabalho e ajudar a recuperar a economia no pós-pandemia, com geração de mais de 49 mil empregos diretos”. O prefeito eleito também promete vagas para filhos de mães que realizarem o pré-Natal no programa “Mãe Paulistana” e descarta ampliar a gratuidade no transporte público para desempregados, por exemplo. “Quando falamos em gratuidade, falamos em aumento de subsídio. Isso significa retirar da educação, da saúde, ou de qualquer outro setor. Não há mágica, não adianta achar que a prefeitura é um saco sem fundo. Ampliar gratuidade é retirar recurso de algum setor importante para a dinâmica da cidade”, disse em entrevista à Jovem Pan, ainda no primeiro turno.

Dois dos temas mais explorados por Guilherme Boulos na corrida eleitoral foram a escolha do vice na chapa de Covas, o vereador Ricardo Nunes (MDB), e a gestão do tucano durante a pandemia do novo coronavírus. Nunes foi acusado, em 2011, de violência doméstica, ameaça e injúria pela esposa, com quem é casado até hoje. Regina Carvolane registrou boletim de ocorrência contra o emedebista na 6ª Delegacia da Mulher, em Santo Amaro, na Zona Sul da cidade. Nas últimas semanas, a cidade de São Paulo registrou aumento no número de casos de Covid-19 e de internações. O prefeito, porém, afirma que a capital paulista vive um cenário de estabilidade. “Tivemos um aumento nas internações, mas esse aumento veio acompanhado de um cenário de redução de leitos, em especial na rede privada. Houve uma redução de 1.700 leitos para 1 mil leitos referenciados Covid. O próprio município vai voltar a ter mais 200 leitos referenciados para não deixar ninguém sem tratamento. Aqui na cidade de São Paulo não tivemos e não teremos cenas do médico escolher quem será ou não entubado. Aqui vivemos um momento de estabilidade, mas é importante as pessoas lembrarem que o vírus ainda é uma realidade a ser enfrentada”, disse na terça-feira, 24.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »