02/04/2017 às 16h28min - Atualizada em 02/04/2017 às 16h28min

Cartaxo é jogado nos braços de Ricardo e a maior culpa recai sobre Cássio – Por Gilvan Freire

Gilvan Freire
Polêmica PB
web
Velho Jacó dizia que a vaidade causa manchas na beleza das mulheres e deformidades no cérebro dos homens. Ele também é autor de outra sentença aplicada a esse distúrbio da personalidade dos humanos : ” A vaidade é uma égua desembestada que derruba da sela o dono.

A reeleição de Luciano Cartaxo não teve donos políticos, mas certamente teve a colaboração de alguns líderes, de maior ou menor importância, dada a entrada de RC no pleito, com corpo, alma e governo dentro, mexendo com a população de todo o estado. No que foi bom para Luciano, que estadualizou o seu nome e passou logo a ser cogitado como candidato a governador em 2018.

Entre os três maiores caciques políticos da Paraíba, Cartaxo conseguiu o apoio de dois, Maranhão e Cássio , ambos ex-aliados e também adversários recentes de RC, peças no jogo do xadrez.

Mal terminado o jogo e apresentado Luciano como um troféu de vitória dos maiorais à população, nasceram dúvidas nas cabeças envolvidas : Cartaxo e o imaginário coletivo entenderam que o seu nome era bola da vez para governador em 2018, mas os maiorais entenderam que a vitoria havia sido deles e Luciano era, sim, um TROFÉU DE CAÇA.

Entrou 2017 e Cássio tergiversou no apoio a uma possível e previsível candidatura de Luciano a governador e, achando pouco, apoiado na mesma vaidade que já lhe derrubou da sela antes, cogitou e promoveu cogitações a seu próprio nome. Foi a partir daí que surgiram os atuais incêndios – que só crescem.

Resultado : RC, que não tem candidato forte a governador, tem agora um prontinho, entregue na bandeja – produzido e bem acabado – pelos seus rivais. Não precisou fazer nada : bastou esperar um pouquinho para que a vaidade humana entrasse na disputa entre a sua frieza e o amadorismo de seus rivais. Ele já os fisgou antes com o mesmo anzol. Depois conto os detalhes.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »