30/11/2019 às 18h18min - Atualizada em 30/11/2019 às 18h18min

Na Câmara de JP, professor homossexual critica ativismo 'LGBTQ', diz que foi perseguido por Ricardo e defende Bolsonaro

“Ideologia de gênero não existe. Homem nasce homem e mulher nasce mulher”. Foi assim que o professor e historiador Gabriel Pieron, homossexual, do movimento ‘Em direita Bayeux’, discursou, em audiência pública para discutir doutrinação ideológica nas escolas, nesta sexta-feira (29), na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP). Ele também fez críticas ao movimento LGBTQ+ e defendeu o presidente Jair Bolsonaro (PSL). O evento contou com a participação da deputada estadual de Santa Catarina, Ana Caroline Campagnolo, que se posiciona contra o movimento feminista atual.

Pieron fez críticas ao que chamou de ‘militância’ de professores em sala de aula. Segundo ele, alguns profissionais aproveitam o expediente para divulgar ideias partidárias em vez de ensinar o conteúdo da disciplina. Ele destacou que, apesar de ter uma cosmovisão conservadora, não faz militância ao lecionar e é perseguido por isso. “Eu tenho minhas posições de direita, tenho todo direito de ter essa posição, mas minha atribuição de professor não é atribuição de militante. Eu não fui contratado para ser militante, eu fui contratado para ser professor”, disse.

O historiador também fez críticas à influência que estudantes estariam sofrendo no campo da sexualidade e se posicionou contra o ensino do que ele chamou de ‘ideologia de gênero’ nas escolas. “A gente tem que entender que a formação do cidadão, ela vem com o tempo, com a maturidade, e aí vamos formando nossa opinião crítica, desde que não seja por influência de um professor da escola pública, que precisa ensinar um conteúdo legal para o aluno passar no Enem, e não ficar perdendo tempo fazendo militância na sala de aula”, exemplificou.

O professor citou a biologia e a embriologia para argumentar porque as teorias de gênero não devem ser ensinadas em escolas. “Eu sou um adepto de Enéas Carneiro [ex-deputado] e eu lembro como ele dizia, enfaticamente, ‘Não existe outros cromossos que não seja XX e XY’. É biologia. É muito bonito você estudar embriologia e chegar para falar de ideologia de gênero, porque você quebra qualquer argumento que exista. Você quebra”, argumentou.

A audiência

A Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) realizou uma audiência pública, nesta sexta-feira (29), em parceria com a Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), com o objetivo de discutir doutrinação ideológica e de gênero nas escolas. A audiência foi proposta pela vereadora Eliza Virgínia (Progressistas) e pelo deputado estadual Wallber Virgolino (Patriota). A solenidade contou com a participação especial da deputada estadual de Santa Catarina Ana Caroline Campagnolo (PSL), autora do livro ‘Feminismo: perversão e subversão’.

Veja vídeo:

Fonte: Polêmica Paraíba

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Na briga do PSB, quem pode ser considerado 'traidor'?

39.0%
61.0%