23/03/2017 às 18h03min - Atualizada em 23/03/2017 às 18h03min

Cela dos prazeres: Motel tem suíte inspirada na Operação Lava Jato

Metrópoles
web
A possibilidade de virar alvo da Lava Jato tira o sono de quase todos os políticos e de muitos empresários brasileiros. A cada nova fase deflagrada por promotores de Justiça e pela Polícia Federal, sobe aquele arrepio na espinha dos malfeitores. Mas há quem dê suspiros de prazer com a possibilidade de estar atrás das grades. E esse fetiche tem levado muitos curiosos até a “cela” do Motel Altana, em Sobradinho. Lá, uma das suítes foi cuidadosamente montada para simular uma prisão. O tema, a Lava Jato.

A decoração foge a todos os padrões de temas românticos e começa já pela garagem. A suíte número 8 se destaca na primeira fileira de quartos do motel. Antes mesmo de estacionar, o cliente avista o mural sugestivo. Uma das paredes é tomada de cima a baixo com um grafite que estampa a figura de bandidos.

O desenho mostra cinco homens dentro de uma cela, dois deles com uniforme de presidiário. Em um dos casos, o malandro ostenta o número 157 no peito. No Código Penal, é o artigo que tipifica o crime de roubo. Na parede oposta, tem a pintura de dois homens que aparentemente estão em Paris. São cenas explícitas de sacanagem. Eles se roubam enquanto se abraçam. Grades de ferro parecidas às que isolam os detentos em presídios foram adaptadas a uma porta e janela do quarto Lava Jato.

A primeira imagem de que a maior operação de combate à corrupção inspirou a suíte temática está logo na entrada. Três paredes de pé direito alto reúnem recortes de jornais e revistas com uma série de reportagens das mais variadas fases da Lava Jato. Lá estão alguns dos alvos da investigação. Difícil acreditar como alguém pode se manter animado mirando personagens como Nestor Cerveró, Eduardo Cunha, Lula, Dilma, Delcídio do Amaral, Fernando Baiano. Mas o fato é que todos eles têm sido testemunhas de momentos tórridos.

Para dar uma equilibrada entre referências de mocinhos e bandidos, as colagens também incluem o juiz federal Sérgio Moro e o coordenador da força-tarefa da operação, o procurador Deltan Dallagnol. Ao subir as escadas de acesso para o quarto, é preciso passar por paredes que simulam cimento batido, também com grades coladas nas laterais. Tudo bem no clima de crime e castigo.

 
O quarto em si é uma mistura do luxo e do submundo de uma prisão. Em uma das laterais da suíte, há um papel de parede com a imagem da imponente Torre Eiffel iluminada. Mas não é possível tocá-la. O motivo são as grades. Assim como nas prisões, impedem o contato com o mundo. Muitos espelhos, globo de luz e luminárias de cristal estão em volta da cama. No pé dela, inclusive, há uma grade em formato de L presa entre o chão e o teto.

A Cela do Altana tem regalias que os presídios não comportam. Entre elas, banheira de hidromassagem, sauna e vista panorâmica de Brasília. Pelo janelão de vidro, é possível admirar a capital do alto, incluindo parte da Esplanada dos Ministérios, onde está o Congresso Nacional, um dos principais redutos de investigados. Também dá para tomar um saboroso vinho chileno. A fantasia de estar atrás das grades custa entre R$ 129,50 e R$ 156,50, a cada duas horas.

Do jeito que as coisas se encaminham, muita gente vai conhecer, sim, a cela da Lava Jato. Mas não a dos prazeres. A das punições mesmo. (Colaborou Leilane Menezes)

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »