16/09/2019 às 06h23min - Atualizada em 16/09/2019 às 06h23min

Padrasto mata bebê de 1 ano por não aceitar fim de relacionamento com a mãe

CM7
Foto: Reprodução
Na manhã deste domingo (15), um bebê do sexo feminino, de um ano de idade, foi encontrada morta em uma área de lago, no Bairro Universidade na zona sul de Macapá. O principal suspeito de ter tirado a vida da pequena Thayla Cristina Ferreira, é o padrasto, que não teria aceitado o fim do relacionamento com a mãe.

Um morador que saia para trabalhar, por volta de 6h30, encontrou o corpo da criança na área de pontes da Travessa Dulce Estela Ribeiro. A polícia então foi acionada e se deslocou até o local e retirou o corpo da criança, que estava despida, de dentro do lago.

Segundo testemunhas, a bebê foi sequestrada pelo padrasto, Messias Machado Barbosa, na noite de sábado (14), enquanto a mãe estava trabalhando e o bebê estava com outros familiares que estavam dormindo. Thayla Cristina Ferreira havia feito aniversário na última sexta-feira (13).

O delegado Wellington Ferraz, titular da Delegacia de Crimes Contra a Pessoa (Decipe), informou que a perícia irá confirmar se a asfixia constatada no corpo se deu por conta do afogamento ou se a criança chegou a ser estrangulada antes de ser jogada no lago. Além disso, exames também constatarão se houve outro tipo de violência.

“A mãe estava no local em prantos. Pela tarde, ela teve um desentendimento com o padrasto, com quem se relacionava há 4 meses. A criança não tem nada a ver com o término. Agir dessa forma é uma covardia. Vamos trabalhar com tranquilidade e ouvir as pessoas sobre a discussão, pois viram ele saindo com a criança chorando do local”, relatou o delegado.

A Polícia Civil encontrou ainda a moto pertencente a Messias Machado Barbosa e alguns documentos pessoais em sua residência, próximo de onde a criança foi encontrada morta. Até o fechamento desta matéria, diligências estavam sendo feitas com o intuito de encontrar o suspeito.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você acredita numa reaproximação entre Ricardo Coutinho e João Azevêdo?

30.5%
69.5%