05/09/2019 às 11h54min - Atualizada em 05/09/2019 às 11h54min

Nonato Bandeira nega acusação feita pelo GAECO: 'Nunca ocultei provas'

Foto: Reprodução
O secretário de Comunicação Institucional do Estado da Paraíba, Nonato Bandeira, emitiu uma nota na manhã de hoje em resposta à denúncia feita pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado do Ministério Público da Paraíba (Gaeco/MPPB). Nonato nega todo o relato que o envolve como suposto autor de destruição de provas de um processo que comprometeria alguns colegas da gestão da prefeitura de João Pessoa.

“Nunca, em tempo algum, estive reunido com qualquer pessoa nas dependências da rádio Tabajara, ou em outro lugar, para ocultar prova ou impedir a investigação de crimes de que sequer sou acusado”, disse o jornalista, na nota, acrescentando que estranha a inclusão de seu nome no caso.

Na denúncia, é dito que ele teria ocultado documentos que poderiam implicar outros gestores, como o ex-procurador geral do Município Gilberto Carneiro e a ex-secretária Livânia Farias.

Confira a íntegra da nota de Nonato Bandeira:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Diante do que vem sendo noticiado desde a tarde de ontem, acerca da suposta prática de ocultação de documentos para beneficiar terceiros, esclareço o seguinte:

1. Não há contra a minha pessoa acusação de desvio de recursos públicos ou de corrupção.

2. Nunca, em tempo algum, estive reunido com qualquer pessoa nas dependências da rádio Tabajara, ou em outro lugar, para ocultar prova ou impedir a investigação de crimes de que sequer sou acusado;

3. Estranho que só agora meu nome apareça neste rumoroso caso, exaustivamente denunciado à época pela imprensa e apurado pelas autoridades competentes;

4. Por fim, coloco-me à inteira disposição das autoridades para prestar todos os esclarecimentos necessários, a fim de que a verdade seja restabelecida.

João Pessoa, 5 de setembro de 2019.

Nonato Bandeira

Secretário de Comunicação do Estado
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você concorda com a redução da maioridade penal?

84.8%
15.2%